segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Informações para boas praticas de instalação para medidores de vazão eletromagnético.

Segue informações importantes para boas praticas de instalação para medidores de vazão eletromagnético.

E importante seguir tais informações para garantir o bom funcionamento e exatidão dos medidores de processo.

INSTALAÇÕES:
É importante caracterizar os medidores eletromagnéticos como instrumentos elétricos de precisão, para não tratá-los como meros acessórios da tubulação. Nas fases de projeto, montagem e manutenção deverão ser seguidas instruções específicas sobre as recomendações dos fabricantes para a instalação e utilização desses medidores. Em geral, os seguintes critérios ou recomendações que devem ser seguidas são:
Não devem ser transmitidas cargas da tubulação para o medidor. É necessário atenção especial quando se instala o medidor na posição vertical.

Medidores com mais de 300 mm de diâmetro exigem suporte independente da tubulação.

Chaves torquimétricas devem ser utilizadas para ajustar uniformemente os flanges.

Os medidores magnéticos podem ser instalados em posição vertical, horizontal ou inclinada. Quando instalados em posição vertical, o fluxo deve ser em sentido ascendente; quando em posição horizontal, os eletrodos devem esta em plano horizontal.

Em vista da pouca resistência á temperatura, é preciso tomar precauções para evitar superaquecimento durante á instalação, como, por exemplo, a provocada pela solda.

Especialmente nos casos de medidores revestidos internamente com teflon, é recomendado o uso de algum protetor, poderão ser usados anéis, flanges ou carretéis de proteção, em ambos os lados do medidor.

Quando o procedimento anterior não for seguido, recomenda-se, tanto para medidores revestidos internamente com teflon quanto para os outros tipos, o uso de um banco de montagem para parafusar o medidor á tubulação, ou ás válvulas ou, ainda, aos acessórios contíguos, antes de sua instalação no local definitivo. Isso evitará danos no medidor.

É recomendável instalar provisoriamente um carretel no local do medidor até a prova hidrostática e a lavagem das linhas; posteriormente, instala-se o medidor conforme as recomendações anteriores. O comprimento do carretel deve ser igual ao do medidor mais os anéis, flanges ou carretéis de proteção (quando utilizados).

Embora na se exija um longo trecho reto, como em outro medidores, quando o fluido medido for abrasivo, é recomendável um trecho reto a montante de 5 á 10 diâmetros.

ATERRAMENTO:
Por razões de segurança do pessoal e para obter uma medição de vazão satisfatória, é muito importante atender todos os requisitos do fabricante quanto ao aterramento. Uma interligação elétrica permanente entre o fluido, o medidor, a tubulação adjacente e um ponto de terra comum é especialmente importante quando a condutividade do líquido é baixa.
A forma de efetuar o aterramento depende do tipo de medidor e do tipo de tubulação adjacente (metálica, não-metálica, com revestimento interno, etc.) Quando o medidor é instalado entre tubulações não metálicas ou revestidas internamente, é normal a colocação de anéis entre flanges do medidor e a tubulação. Assim, obtém-se o contato elétrico com o fluido para posterior aterramento. Esses anéis devem ter diâmetro interno igual ao do medidor.

CLASSE DE EXATIDÃO:
A exatidão depende da calibração do medidor e do tipo de elemento secundário a que é ligado. A maioria dos fabricantes oferece medidores com faixa de exatidão de 0,5 e classe de rangeabilidade de 5 (10), de acordo com a classificação da Sec. 1.5. Entretanto, em geral, os fabricantes recomendam que se escolha o diâmetro do medidor de forma tal que a velocidade usual do líquido seja de ordem se 2 m/s ou mais e não inferior a 0,3 m/s para a vazão mínima.


INFLUÊNCIA DE VISCOSIDADE:
Os medidores independem da viscosidade do fluido. As medições podem ser efetuadas com fluidos newtonianos e não newtonianos.

LIMITES DE CONDUTIVIDADE:
A condutividade mínima de 0,5 µS/cm é citada como limite pela maioria dos fabricantes. Uma condutividade de 0,05 µS/cm pode ser considerada como limite de condutividade para os medidores magnético. Não é possível medir os produtos e derivados de petróleo por estarem abaixo dos limites práticos de condutividade, assim como os gazes, a menos que sejam ionizados.

INFLUÊNCIA DE DENSIDADE:
O medidor magnético é basicamente um velocímetro e, consequentemente, mede a vazão em volume, e suas indicações são independentes da densidade.

INFLUÊNCIA DO PERFIL DE VELOCIDADE:
Não há influência do perfil de velocidade do fluido. O perfil, entretanto, deve ser simétrico em relação ao eixo da tubulação. Uma das causas possíveis de assimetria pode ser a presença de depósitos no fundo do tubo, que tem como efeito uma indicação errada para mais. Necessidades de trechos retos variam segundo cada fabricante. Muitos recomendam 5D a montante e 3D a jusante, porém, para manter a exatidão, podem ser necessários 15D a montante e 5D a jusante.

MEDIÇÃO BIDIRECIONAL:
É possível medir o fluxo nos dois sentidos; nesse caso, o indicador tem um zero central.
A montagem na tubulação deve ser simétrica.

3 comentários:

  1. Gostaria de saber como especificar corretamente um medidor magnético.
    Possuo uma tubulação de 3 polegadas e a vazão é de 800 litros por minuto. Como faço para especificar o DN e as flanges usadas?

    Obrigado
    maxwpd@ig.com.br

    ResponderExcluir
  2. muita massa esse blog é bome sta sempre atualizando p/ podemos fik mais ligado no dia a dia. fik com deus

    ResponderExcluir
  3. Caro colega,

    para dimensionar o diâmetro do tubo medidor de um medidor de vazão magnético é relativamente fácil, pois, para este instrumento, temos obrigatoriamente o uso de fluidos líquidos, o que facilita a especificação dada à praticamente incompressibilidade dos líquidos. Mas, não é somente isso. Para definir todas as características técnicas deste medidor é necessário:

    - exatidão;
    - características do fluido (corrosão, abrasão, condutividade elétrica, viscosidade, sólidos m suspensão). Isso para dimensionar o material do revestimento interno do tubo medidor, e, para dimensionar também o material dos eletrodos)
    - vazão nominal;
    - pressão;
    - temperatura do fluido e ambiente;
    - diâmetro da linha;
    - conexão ao processo (flange, wafer, sanitária, clamp-on, união)
    - schedule;
    - classe de pressão;
    - grau de proteção;
    - classificação de área;
    - se será com indicação integral/remota;
    - protocolo/sinal elétrico;
    - tensão de alimentação / 2 ou 4 fios;
    - se precisa do anel de aterramento;
    - tipo de conexão elétrica;
    Além disso, têm uma série de opcionais que o cliente pode desejar incluir na especificação técnica do medidor.

    Bem! Fica claro que o dimensionamento/especificação de um medidor de vazão magnético não é uma tarefa tão fácil assim. Temos que estudar a aplicação: levantar uma série de questionamentos com o cliente, e ter as respostas para que ao definir o modelo que atenderá à aplicação, não tenhamos eventuais problemas de mau dimensionamento e especificação técnica.
    TODO ESTE TRABALHO É FEITO PARA QUALQUER OUTRO INSTRUMENTO INDUSTRIAL.


    Ahh! Quanto à sua pergunta!

    Um medidor de DN = 3 polegadas pode atender à sua necessidade com alta performance e exatidão, pórem, para definir o flange, é preciso saber qual norma o projeto definiu de conexões flangedas (ANSI, JIS, DIN por exemplo) e a classe de pressão, mas, a dimensão circular do flange teoricamente deve ser compatível com 3", porém, a espessura quem define é a classe de pressão e schedule da linha.


    Ok!?


    Meu nome é Genildo Marques Gonçalves. Sou Eng° de Aplicações de Instrumentação e Automação da Yokogawa América do Sul.

    ResponderExcluir